Os dados divulgados esta terça-feira por Bruxelas, indicam que o défice deste ano derrape para os 2,7% do PIB, mais 0,5 pontos do que espera o executivo de António Costa. E pior, antecipam uma deterioração do saldo estrutural, devido ao volume limitado de medidas de consolidação orçamental.

Se por um lado, no próximo ano o PIB deverá crescer 1,5% em 2016 e 1,7% ligeiramente menos do que os 1,8% admitidos pelo Programa de Estabilidade desenhado pelo ministro Mário Centeno. É também muito provável, que o em 2017 o défice global desça para 2,3% do PIB, devido principalmente à recuperação dos fundos de liquidação do BPP. Números que estão longe dos objectivos propostos governo para que o PIB seja de 1,4%.

A Comissão Europeia nota ainda que, na ausência de medidas de consolidação adicionais suficientemente especificadas, é esperado que o saldo estrutural continue “a deteriorar-se ligeiramente”.

 

Foto Agência Reuters