Na passada semana realizou-se um encontro de jovens aficionados, com a empresa do Campo Pequeno, para debater as suas expetativas em relação à temporada 2018.

As tertúlias “José Maria Cortes”, “P’ra Diante”, “Sol e Moscas”, “Tertúlia Tauromáquica de Medicina Veterinária” e “Taurisa” (Instituto Superior de Agronomia) marcaram presença e todas elas têm expectativas comuns e baseiam-se fundamentalmente na emoção que é necessária ao sucesso do espectáculo. As opiniões foram unânimes: a presença do toiro-toiro, figuras do toureio nos principais cartéis, corridas mistas, alterar a data de realização das corridas (sexta-feira é dia de trabalho), preços mais atractivos, mais lugares para jovens, realização de eventos que visem a defesa e promoção da Festa Brava como por exemplo o Bullfest, a Festa do Forcado, e o regresso das garraiadas académicas.

A grande questão que o jovens colocaram foi ”saberão as empresas, hoje em dia, comunicar a tauromaquia ao público jovem?”

Na oportunidade, o Director de Actividades Tauromáquicas do Campo Pequeno, Rui Bento disse que a empresa irá “apostar em toiros com trapío, mobilidade e transmissão” e referiu as ganadarias em que já foram vistos toiros para 2018: Pinto Barreiros, São Torcato, Veiga Teixeira, Manuel Assunção Coimbra, David Ribeiro Telles, António Charrua, Passanha, Vinhas, Varela Crujo, Paulo Caetano e Manuel Veiga.

Rui Bento disse também que “serão criadas condições ainda mais favoráveis para os jovens, no que respeita a preços e a número de lugares disponíveis”.

Referiu também que o Campo Pequeno “ainda não se adaptou de todo ao boom turístico da cidade de Lisboa” e afirmou que essa será uma das áreas em que a empresa também tem de melhorar.

fonte: Campo Pequeno

foto: Farpas Blogue