Depois do grande triunfo alcançado no “Colete Encarnado”, em Vila Franca de Xira, Nuno Casquinha teve uma actuação muito guerreira em Lisboa e regressou para o Peru, onde é um verdadeiro ídolo, e onde tem somado triunfos atrás de triunfos, nas principais arenas daquele país sul-americano, em especial nas feiras de Socota, San Pedro de Laraos, um indulto em Lachaqui e a saída em ombros na importante Feira de Humachuco.

Nuno Casquinha considera ser um ano “mais regular, onde há uma melhoria com a espada e com a mão esquerda a tourear ao natural”.

Portugal tem de sentir orgulhoso, por ter um matador que chegou sozinho ao Peru e lutou contra tudo e todos e chegou ao primeiro lugar do escalafón em 2013 e 2017 no Peru, país onde é um verdadeiro ídolo junto da afición, algo que nem sempre é reconhecido em Portugal.

Agora estão a chegar novos desafios em Portugal e Espanha, actuações que podem por em causa a excelente campanha sul-americana que o toureiro de Vila Franca de Xira tem realizado.

Nuno Casquinha toureia a 9 de Setembro, em Espanha, na localidade de Sotillo de la Adra (Ávila), onde vai enfrentar toiros das ganadarias de José Escolar e Daniel Ruiz.

José Escolar é uma ganadarias dura que põe à prova qualquer toureiro e Daniel Ruiz é uma ganadaria eleita por muitas figuras.

Casquinha tinha acabado de chegar ao Peru e o empresário Raul Montero, que há uns anos atrás já tinha colocado o toureiro de Vila Franca, numa corrida em Espanha, em Fresnedilla (província de Ávila) onde também toureou toiros de José Escolar, numa tarde em que cortou duas orelhas e saiu em ombros.

Nuno achou um desafio muito interessante “curiosamente já tinha visto no Mundotoro as fotos dos toiros da corrida de Sotillo de la Adra e questionei-me quem seriam os valentes que iriam tourear?”.  Dito e feito, “graças a Deus tocou-me a mim, gosto das corridas encastadas e sérias, são estes rectos que me fazem superar e põe-me à prova”.

Depois do regresso a Espanha, seguem-se dois desafios em Portugal, em duas feiras taurinas muito importantes. O primeiro vai ser na Moita, onde vai alternar com o matador espanhol Manuel Escribano, o cavaleiro Vítor Ribeiro e os forcados amadores da Moita, na lide de toiros de Falé Filipe. “Nunca toureei, nem de novilheiro e curiosamente foi a terra onde tive as primeiras aulas de toureio de salão”

Nuno Casquinha regressa a Vila Franca de Xira, a 30 de Setembro, depois dos êxitos ai alcançados em Outubro de 2017 e na edição deste ano do “Colete Encarnado”. Os toiros também são da ganadaria Falé Filipe, numa corrida em que se comemora o 117º aniversário da Palha Blanco. Nesta tarde, Casquinha toureia com António João Ferreira, com quem já toureou este ano no Campo Pequeno. Na parte equestre, vão estar João Moura Jr, João Telles Jr e os forcados de Santarém e Vila Franca de Xira.“São duas corridas muito importantes, e é bonito ver como os empresários reconheceram os meus triunfos tanto no Peru, como em Portugal. O meu agradecimento a todos eles. Espero que sejam duas tardes bonitas e que dê continuidade a este bom momento que atravesso na minha carreira”.

Esta é sem dúvida alguma, uma excelente temporada de Nuno Casquinha, onde a entrega está sempre presente, assim como o interesse que desperta junto da afición portuguesa.

Seria muito interessante haver um empresário, com a coragem de organizar uma corrida só com matadores e novilheiros portugueses. Quando se fala muito em falta de originalidade na confecção dos cartéis, porque não fazer algo de diferente, com o melhor do toureio a pé a nível nacional?

Há quantidade e variedade de estilos no toureio a pé, Pedrito de Portugal, António João Ferreira, Nuno Casquinha, Manuel Dias Gomes, Joaquim Ribeiro “Cuqui” e os novilheiros com picadores João Silva “Juanito” e Diogo Peseiro são nomes que podiam, e deviam estar mais presentes nos cartéis das nossas praças. Haja afición!