Um esquema de corrupção nas messes da Força Aérea (FA) terá lesado o Estado em dez milhões de euros nos últimos anos. Esta é uma conclusão preliminar da Policia Judiciaria, que lançou esta semana a Operação Zeus, detendo seis militares por suspeitas de corrupção e falsificação de documentos: um major, dois capitães e três sargentos do ramo.

A fraude passa pelo inflacionar dos valores de faturação por parte das empresas fornecedoras de todo o tipo de alimentos – com os empresários do setor a distribuírem depois todo o dinheiro em excedente, sob a forma de luvas, pelos militares que tinham responsabilidade de zelar pela boa gestão das unidades.

Há suspeitas de que é desviado 30 por cento do valor do orçamento anual da Força Aérea para gastos com alimentação.

Em comunicado, a PJ adiantou que “no decurso das 180 buscas a 12 bases militares, em 15 empresas e em diversos domicílios, foram apreendidas elevadas quantias em dinheiro, que se presume que sejam produto da prática dos crimes”. Os principais alvos foram messes de Monsanto, Figo Maduro, Lumiar e Alfragide (Lisboa), Alcochete, Sintra, Monte Real, Beja e Montijo.

Na operação participaram 330 investigadores e peritos da PJ, acompanhados por quatro dezenas de elementos da PJM e 27 magistrados do Ministério Público.

Fonte e foto: RTP