Juan José Padilla é o novo ídolo do Campo Pequeno. O matador de Jerez de la Frontera enlouqueceu Lisboa, com duas faenas cheias de entrega e impacto junto das bancadas. Esteve enorme tanto de capote, como com as bandarilhas (sorte que domina com uma facilidade incrível), com a muleta onde mostrou-se firme, decidido e cheio de poderio.

Saiu pela Porta Grande, com o público rendido à magia do seu toureio. nas bancadas os aficionados gritavam “Padilla é maravilha!”

Juan del Álamo também esteve em bom plano, diante de um lote de toiros mais complicado. No entanto, mostrou técnica, valor e muito oficio para superar as dificuldades da melhor maneira, apesar de não ter matéria prima para triunfar.

No que diz respeito às lides equestres, houve uma lide muito agradável a duo. Onde pai e filho Rouxinol estiveram em bom plano. Nas lides a solo, Luís Rouxinol Jr. teve de lidar 2 toiros, devido ao seu pai estar na enfermaria da praça com uma lombalgia. Em ambos os toiros, o cavaleiro praticante de Pegões, esteve com atitude e realizou duas lides convincentes.

Pelos forcados amadores do Aposento do Barrete Verde de Alcochete, foram caras: Diogo Amaro à 2ª tentativa, Marcelo Lóia (cabo do grupo) e Rui Gomes, ambos à 1ª tentativa.

Os toiros da ganadaria Varela Crujo, estavam bem apresentados e na sua maioria foram colaboradores com os toureiros, em especial o 6º da noite toureado por Padilla.